Logo_Vinhos_de_LaPT EN

Vinhos Verdes

 

Ocupando a região noroeste de Portugal, a Região Demarcada dos Vinhos Verdes possui as condições naturais ideais para a produção de vinhos brancos excelentes, dotados de uma frescura natural e baixo teor alcoólico. A influência dos ventos
marítimos do oceano Atlântico, juntamente com o solo, o clima e as castas da região, fazem do Vinho Verde único no mundo. Destacam-se também bons espumantes e excelentes aguardentes.

 

Sub Região Monção e Melgaço

Monção e Melgaço pertencem à Região Demarcada dos Vinhos Verdes. Esta região, protegida pela cadeia montanhosa do Vale do Minho e cercada pelo Rio Minho e seus afluentes, possui um microclima muito particular. As temperaturas amenas e a baixa amplitude térmica sentida, retiram o maior potencial das castas Alvarinho, dando origem a um Vinho de excelência e único. A casta Alvarinho é caracterizada pelos seus cachos pequenos, baixa produção e pela sua elevada qualidade. O bago é de tamanho médio, redondo de cor amarela chegando a tons rosados quando bem maduro. Dá origem a vinhos com cor cítrica, aroma delicado e na boca revela-se equilibrado, leve e fresco.

Monção e Melgaço

 

DOURO

 

A região do Douro é caracterizada pelos seus solos xistosos e pelo seu clima de Invernos frios e Verões quentes e secos. Para o clima contribuem as serras do Marão e de Montemuro funcionam como barreiras às correntes húmidas que vem do Atlântico. A região do Alto Douro encontra-se no extremo oeste, mais próximo da Serra do Marão, onde a chuva e o rendimento das vinhas são mais elevados. A prova de que o Douro região é propicia à viticultura, embora com baixa produtividade, é a grande diversidade de castas existentes. Nas castas tintas destacam-se a Tinta Amarela, Tinta Barroca, Tinta Roriz, Touriga Francesa, Touriga Nacional e Tinto Cão; as castas brancas predominantes são a Malvasia Fina, Viosinho, Donzelinho e Gouveio.

Douro

 

DÃO

 

A Região Demarcada do Dão é boa para a produção de vinho. A região é protegida dos ventos pelas serras do Caramulo, Montemuro, Buçaco e Estrela, onde se fazem sentir Invernos muito frios e chuvosos e Verões quentes e secos. A altitude das vinhas (400-700 metros), juntamente com as características dos solos (xistosos e graníticos) e as características natureza (grandes extensões de pinhais) levam à produção de vinhos encorpados com elevada capacidade de envelhecimento em garrafa. Nas castas tintas destacam-se Touriga Nacional, Alfrocheiro, Jaen, Tinta Roriz e Encruzado. Nas brancas a Bical, Cercial, Malvasia Fina e Verdelho.

Dão

 

ALENTEJO

 

A zona de Monforte, próxima à Serra de São Mamede, possuiu um clima húmido, com altas temperaturas no Verão e chuvoso e baixas temperaturas no Inverno. Este micro-clima, muito particular, conjugado com o “Terroir” e com as vinhas, permite a produção de vinhos que se diferenciam do vinho típico Alentejano. Vinhos com aromas densos a frutos vermelhos e especiarias. Nos vinhos tintos, destacam-se as castas Trincadeira e Aragonez, complementadas por uma menor área de Alfrocheiro, Touriga Nacional, Alicante Bouschet e Cabernet Sauvignon, utilizadas para complementar os “blends”. Relativamente às castas brancas predominam as castas Antão Vaz, Arinto e Verdelho.

Alentejo